Vamos respirar? 10 junho 2016 Força Jovem

Não era o que ninguém esperava. Não estou falando só dos esmeraldinos, mas sim de todos que acompanham essa Série B e apontavam o Goiás como um forte candidato ao acesso, porém, os problemas foram maiores. Estava claro que Enderson Moreira não estava dando conta do recado no Goiás, e por mais que eu tenho um eterno respeito a ele pelo que ele fez no clube em anos anteriores, já tinha passado da hora de ele ser demitido.

Com todo respeito, Enderson é um cara que entende muito de futebol, porém, ele precisa ter consciência de que precisa se reciclar e se atualizar. Essa é uma demanda que todo treinador de futebol tem que fazer. O grande problema dos treinadores brasileiros é enxergar isso. Não é atoa que somos o país do 7×1 (e estou falando do Haiti), pois apostamos num treinador que ganhou a Copa de 2002 com o Brasil e achamos que ele iria fazer o mesmo em 2014. Erramos feio.

O mesmo errou o Goiás. Acreditávamos que o mesmo Enderson ia conseguir repetir o trabalho bem feito que ele fez nos anos anteriores, mas esquecemos que um raio nunca cai no mesmo lugar. É complicado, pois até eu acreditava no potencial do Enderson, mas a culpa não foi só dele. Existem várias pessoas no Goiás que prejudicam o clube e sua torcida a cada dia. Sergio Rassi é uma delas, por exemplo. Infelizmente, esse só sai daqui a muito tempo, e do jeito que ele é incompetente, fica difícil acreditar que o Goiás pode almejar mais alguma coisa.

Leo Condé IBom, alguém tinha que pagar e Enderson pagou. Pra mim, foi o certo. Um nome bem agradável veio para ser o treinador: Léo Condé. Não é porque ele não treinou nenhuma equipe grande que ele não seja bom treinador. Léo fez o impossível levando a Caldense numa final de Mineiro e quase conseguiu o acesso com o Sampaio Corrêa no ano passado. É um treinador jovem com uma boa filosofia e é disso quero futebol brasileiro precisa. Chega daqueles “experientes” ultrapassados.  Precisamos de um cara que passe inteligência pro time.

Claro que precisamos de reforços e uma nova postura. Cobrar como a torcida Força Jovem Goiás fez ontem no treino é bem plausível. Os jogadores têm que saber que também tem que sofrer pressão, pois isso também faz parte da profissão deles. Não adianta ficar de corpo mole, mas é claro que qualquer ameaça ou ato de violência, eu as reprovo. Não justifica. Nós somos seres humanos e nenhum jogador cometeu um crime pra merecer ser violentado.

Desde já, espero uma reação imediata e torço muito para que no final do ano, possamos encerrar nas quatro primeiras posições. Título é consequência, pois temos candidatos fortes, mas o acesso, esse sim é obrigação. Com Enderson ou Léo Condé, Ximenes ou Harlei, Dilma ou Temer, Bolacha ou Biscoito, o acesso SEMPRE será OBRIGAÇÃO!

Wagner Oliveira

(Foto da apresentação: Jornalista André Rodrigues)

Tags:,

3 Comentários Quero comentar!

  • Não acredito mais no acesso neste ano de 2016. A distância em relação aos nossos concorrente está ficando demasiadamente grande. E o sucesso em qualquer competição de pontos corridos depende de regularidade, o que não é o caso do Verdão.

    Também acredito que o Léo Condé possa fazer um bom trabalho, desde que venha as peças que ele detectar que sejam necessárias para reforçar o time. Penso que o time vai melhorar, mas não creio que isso seja de uma hora para outra.

    Acompanhei o trabalho do Léo Condé dirigindo o Sampaio Correia. O time maranhense tinha padrão de jogo. Além de ter feito uma boa campanha na Série B, o time maranhense fez boa campanha na Copa do Brasil.

    Mas concordo com o Wagner. O presidente Rassi, além de entender pouco do riscado, é um eterno omisso à frente da direção do time. Além de estar sempre ausente, ele permite que os incompetentes da família Pinheiro o façam de testa de ferro para cometer as atrocidades administrativas que sempre fizeram. O Verdão de hoje (2016) é uma caricatura do que era o Verdão de 10 anos atrás (2006).

    Comentário by Almir — 10 de junho de 2016 @ 17:03

  • Wagner, mais uma vez mandastes muito bem em sua coluna. Acrescentaria nela, que Enderson e Ximenes são apenas a ponta do Iceberg. O GOiás é dirigido nos dias de hoje, como se fora na década de 90. Nossos dirigentes não oxigenaram seus cérebros no quesito administração do futebol, e por isso estamos sofrendo com esse marasmo, a pelo menos 10 anos. De 2006 para cá, o torcedor Esmeraldino vem perdendo a graça, o tezão de ir ao Serra Dourada. E o pior, o Goiás está perdendo o seu torcedor…

    Comentário by cicero jr — 10 de junho de 2016 @ 17:13

  • Wagner a parte mais TOP do seu texto foi essa “Com Enderson ou Léo Condé, Ximenes ou Harlei, Dilma ou Temer, Bolacha ou Biscoito”……. kkkkkkkkkkk ‘

    Agora falando sério sou aqui de Curitiba e meu primo torce para o Coritiba quando o Goiás anunciou o Ximenes falei que o Goiás tinha contratado o ximenes meu primo na hora ele falou, “Credo esse cara quase afundou o coxa”
    nem liguei muito só ri na hora, mas agora vi que ele estava certo. Dizem que esse ximenes já está demitido; quando o FDP do presidente voltar da sua viagem na frança ele vai sair de acordo com o André Isac da PucTV..
    meu primo aguentou esse cara no Coritiba por 2 anos kkkkkkkkkkk ‘

    Saudações Galera….

    Comentário by Felipe_SKR — 11 de junho de 2016 @ 7:41

Feed RSS para comentários sobre este post. TrackBack URL

Deixe um comentário