Tem base?!? 4 janeiro 2017 000CopaSP-GOIÁS

As equipes com alguma estrutura profissional, em sua grande maioria, mantém uma ou várias divisões de base para formação do atleta. Isso custa caro? Sim, muito.

E fica ainda mais caro principalmente quando os jogadores começam a tão sonhada transição para o profissional. As chances começam a aparecer no time principal, a possibilidade de salario maior, maior visibilidade, viabilidade de transferência para um dos clubes considerados de grande porte.

Vou me ater a nomes mais recentes, que emergiram das Categorias de Base do Goiás, todos, com pompa de promissores aspirantes a “craque de bola”. Com absoluta certeza, há outros muitos que não estão nesta lista, contudo não é por maldade, mas sim por desconhecimento em virtude da minha “não vivência” no Goiás 24h!

Richard, Valmir Lucas, Jarlan, Pither, Clayton Sales, Pericles, Mario Sérgio, Pedro henrique, Paulinho, Wallace, Léo Teles, Carlos Eduardo, Felipe Saturnino, Jackson, Jonathan, David Duarte, Thalles, Murilo e outros.

Nesta simples relação, alguns saíram pelas portas dos fundos sem deixar um centavo de lucro pelo investimento; Isso se deu em razão do fruto da excelente orientação profissional de seus “agentes”, que também poderiam ser denominados aves de rapina.

Thalles, fez alguns jogos em 2016. Atleta promissor, tem seu contrato encerrando no final de 2017, e segundo ele e seu empresário, a proposta de renovação foi uma afronta e não houve acordo. Resultado: é provável que Thalles passe o ano de 2017 no total esquecimento, até o térmio do seu contrato.

O quê veradeiramente ocorre com este Goiás, que gasta uma furtuna todos os anos, para “revelar” jogadores que não jogam? Onde está a falha? Berço? Família? Dinheiro? Bebida? Mulheres? Orientação interna? Acompanhamento profissional do clube? Enfim, o quê ocorre com tantos e tantos jogadores que não tem chance, ou quando a tem praticamente fritado se tem uma única ou poucas falhas? Quando se apresentam razoavelmente bem, já acham que merecem ganhar 100 ou 200 mil reais por mês.

Não é tarefa do clube, é claro, mas já que se tenta “profissionalizar” o Goiás, que comecem de baixo, lá no tampinha, porque o efeito colateral é visivel degraus mais acima quando estes garotos se tornam adolescentes e por fim, homens. Talvez o Goiás e outros times  pelo Brasil a fora, necessitem compreender que a instinuição, querendo ou não, tem como “norte” uma similaridade com a vida escolar da Criança:

Maternal( sei lá talves sub 6 ao sub 9);
Alfabetização(sub 10 ao sub 15);
Ensino médio (sub 15 ao sub 18);
Ensino Superior (sub 18 ao sub 20);
Pos Graduação (profissional).

Se a formação dos pais e das mães não permitem passar valores, que haja profissionais dentro do clube capazes de passá-los, complementar a formação de caráter e dar um norte para estes seres humanos. Façam-os entender que futebol é, nos dias atuais, uma profissão de curto prazo. Se o berço de onde estes meninos saíram não há tanto suporte, que o Goiás então tenha competência para ser tornar berço.

Ao que parece, a garotada sai de um berço ruim e entra em outro pior ainda, e então, tempo, dinheiro, sonhos e esperanças vão pro ralo. E quando perde a esperança se perde o ser humano…!

Até a próxima irmãos Verdes e Esmeraldinos!

Wendll Faleiro.

Tags:,

1 Comentário Quero comentar!

  • Na minha visão o problema maior é a Lei Pelé, essa sim, veio para “fuder” com os clubes e consequentemente os empresários começaram a nadam até hoje de braçada. O clube tem pouco o que fazer, pois fica à merce da “sorte”, por exemplo, uma jovem promessa começa a se destacar, aí o clube fica na dúvida, faço um contrato de 5 anos? Pois corre-se o risco do jogador não vingar. Aí deixam para renovar na última hora, nesse momento o atleta já tem seu agente, que nesse momento já comprou um carro o “muleke”, aí mano, aí não tem mais jeito. Ao que parece isso aconteceu com o Thales. É complicado, a Lei Pelé precisa ser modificada,onde clube e atletas possam auferir seus lucros no mundo da bola.

    Comentário by CICERO JUNIOR — 4 de janeiro de 2017 @ 10:08

Feed RSS para comentários sobre este post. TrackBack URL

Deixe um comentário