Objetivos esmeraldinos sob análise 11 maio 2015 brasileirao1

Não tomar gol foi um dos objetivos ou foi o único objetivo do Goiás na partida da estréia do Brasileirão?

Com a “casinha” bem fechada, com duas linhas de quatro, sendo que a segunda linha foi formada por 3 volantes – Hélio dos Anjos optou por jogar com Juliano auxiliando o lateral esquerdo Rafael Forster devido às agressões ofensivas cruzmaltinas do lateral direito Madson e do meia Júlio dos Santos – o Goiás travou o Vasco. O equilíbrio e a compactação defensiva não permitiram que o campeão carioca chegasse facilmente a meta do goleiro Renan.

Ou seja, defensivamente o Goiás foi bem! E o ataque?

O problema é que o time esmeraldino defendeu-se com 9 jogadores (8 na linha e 1 no gol), mas atacou com apenas 3 jogadores: Bruno Henrique foi o único em campo que participou de todos os momentos do jogo (defesa, transição defensiva, ataque e transição ofensiva).

 

Mapa de Calor

Mapa de calor do Bruno Henrique
(Fonte: Footstats)

 

Com a bola, não tivemos nenhum princípio estrutural de ataque, o que resultou num modelo de jogo baseado exclusivamente em bolas paradas ou chutes de fora da área.

 

 

 

Goias_2

Não exploramos, também, o corredor deixado pelo Madson – daí podemos encontrar o motivo pelo qual o lateral direito do Vasco atacou constantemente. Em uma única jogada, conforme pode se constatar na imagem acima, o volante esmeraldino Juliano não faz a ultrapassagem e recebe a bola ainda na intermediária para chutar de longe.

Em suma, se não tomar gol era o único objetivo do Goiás, Hélio dos Anjos foi bem sucedido.

Rodolpho Chinem

Tags:

2 Comentários Quero comentar!

  • Goiás realmente partiu para o Rio de Janeiro (especificamente nesta partida) para apenas empatar.
    Durante o jogo, o Hélio dos “Volantes” justificou o apelido. Preferiu segurar o resultado do que partir pra cima e ir em busca da vitória.
    Na minha opinião, ele tinha de ter tirado o Ygor e ter colocado o Esquerdinha durante a metade do Segundo Tempo.

    No demais eu concordo com o que foi escrito, Goiás só atacou com 3 jogadores e Bruno Henrique só corria, corria e corria e mais nada.

    Parabéns pelo texto!!!
    Gostei do mapa do Calor e da visão do corredor do lateral do Vasco.

    Comentário by Alexandre Lima — 11 de maio de 2015 @ 21:46

  • Alexandre,

    Concordo com você em tirar o Ygor (que não foi bem) e colocar o Esquerdinha. Fico com a sensação de que o Hélio, para ter um modelo de jogo eficiente na defesa e agressivo no ataque, precisa entrar com 12 jogadores contra os 11 do adversário.

    Na verdade, tenho esse pensamento sobre o Hélio desde 2009.

    Abraços.

    Comentário by Rodolpho Chinem — 12 de maio de 2015 @ 14:16

Feed RSS para comentários sobre este post. TrackBack URL

Deixe um comentário