Flamengo: é tudo ou nada para Julinho Camargo! 20 julho 2015 Julim

O sistema defensivo do Goiás foi sólido: a única finalização do Internacional no primeiro tempo foi com Alex da intermediária. Os problemas esmeraldinos dos primeiros 45 minutos passaram a ser os contra-ataques. O Goiás continua com a mesma característica de Hélio dos Anjos e Augusto César quando joga fora de casa: Felipe Menezes, homem do passe, está jogando à frente de Bruno Henrique, homem da velocidade e do drible.

Marcação do Goiás tem uma linha de quatro formada por Bruno Henrique, David, Rodrigo e Patrick (Reprodução: PFC / TV GLOBO)

 

Justiça seja feita: contra o Figueirense (sob o comando de Augusto César), Felipe Menezes e Bruno Henrique alternaram o fechamento da primeira linha de quatro. Mas é mais comum ver Bruno Henrique exercer esse papel porquê Felipe Menezes é um jogador retrô: só joga quando o Goiás tem a posse da bola.

E quando o Goiás roubou a pelota do time gaúcho, apenas Murilo deu a alternativa do passe em profundidade. Bruno Henrique, pela função tática que exerceu, pouco contribuiu para os contra-ataques.

Já no segundo tempo, após o primeiro gol do Inter em falha individual do goleiro Renan, o Goiás passou a trabalhar mais a bola e construiu a melhor jogada coletiva: David recebeu de Felipe Menezes na entrada da área, tabelou com Bruno Henrique e chutou raspando a trave. Faltou o lateral direito, o estreante Gimenez, dar amplitude a jogada:

 

Em boa jogada coletiva do Goiás, faltou Gimenez explorar o espaço vazio (Reprodução: PFC / TV GLOBO)

 

A atitude dos jogadores esmeraldinos mudou. Diferentemente do que aconteceu contra o Cruzeiro, o Goiás buscou o empate. As alterações também foram acertadas. A estratégia exclusiva de se defender e contra-atacar quando o jogo ainda está 0 a 0 é que não agrada. O time esmeraldino deu amostras que pode jogar de igual para igual. Mesmo em território inimigo.

A próxima partida definirá o modelo de jogo de Julinho Camargo para o restante da temporada. Contra o Flamengo, 14º colocado, vai precisar propor o jogo sem se descuidar de um ataque poderoso formado por Guerreiro e Sheik. O Goiás ainda não está na zona de rebaixamento. Mas o Figueirense, 15º colocado e uma posição acima do Goiás, já tem 3 pontos a mais. Uma derrota ou até mesmo um empate pode colocar o Maior do Centro-Oeste no Z-4. E pode não sair nunca mais.

Rodolpho Chinem
(Foto destaque: Site Oficial do Goiás Esporte Clube)

Tags:,

1 Comentário Quero comentar!

  • O Sheik não joga tomou o terceiro cartão amarelo, mas infelizmente tem o guerreiro no ataque ai complica um pouco…

    Comentário by Felipe_SKR — 20 de julho de 2015 @ 18:38

Feed RSS para comentários sobre este post. TrackBack URL

Deixe um comentário