Crônica de uma tragédia anunciada 26 outubro 2016 grafico-a-descer-143438

Nos últimos dias, resolvi olhar para o Goiás na atual década, inclusive considerando que em 2017, disputaremos a série B novamente. Honestamente não consegui achar outro termo a não ser o de que, estou estarrecido…

Vamos aos números?

GOIÁS NO CAMPEONATO BRASILEIRO

ANO

SÉRIE

JOGOS

PONTOS

V

E

D

GP

GC

SALDO

C.FINAL

2016

B

33

44

11

11

11

42

39

3

13º

2015

A

38

38

10

8

20

39

49

-10

18º

2014

A

38

47

13

8

17

38

40

-2

12º

2013

A

38

59

16

11

11

48

44

4

2012

B

38

78

23

9

6

75

37

38

2011

B

38

52

16

4

18

51

57

-6

11º

2010

A

38

33

8

9

21

41

68

-27

19º

Reza a lenda que contra fatos não há argumentos. E não há mesmo. Ora, não precisa ser um gênio em matemática, um expert em estatística e muito menos um “Guru” do futebol. O Goiás está com um problema crônico há quase dez anos e ninguém vê, não se dá o trabalho de ir atrás de estatísticas – porque tenho certeza que isso não existe no corpo diretivo.

Há quase dez anos o Goiás vem tendo zagueiros pós zagueiros fracos. Um atrás do outro. Os números estão aí, o problema não é de agora deste anos fatídico de 2016. Atrelado a zaga, passo para as laterais. Outro problema grave e sequencialmente, chego ao meio campo e não pensem que vou poupar o ataque. A comitiva ofensiva é trágica também, este ano e certamente, a mais caro da história!

Hilário ou não, o único time equilibrado da década atual, eu diria que quase 100%, foi o de 2013 (série B). Basta ver os números. Do time titular aos reservas havia equilíbrio em todos os setores. Dos 11 jogadores que entraram em campo – vou deixar de lado o 12º jogador de fora, o Bixo por jogo, ok!?

Exceto em 2013, a diretoria vem errando, errando, errando, errando e persistindo no erro. Chega ser impressionante como o Adson Batista, e olha que ele erra, mas consegue encontrar bons jogadores, com a relação custo x benefício absurdamente baixa. A Serrinha com todo seu “poder” não tem um olheiro sequer. Mal consegue formar jogadores, mas conseguem formar ao que parece, playboys que quando chegam no time profissional se acham o próprio “Messi”…

Realmente o problema, lá na Serrinha, é muito mais grave do que se pensa ou podemos imaginar, as entranhas parecem estar podres de fato.

Aceitar dói menos, o Goiás hoje parece amar mais a série B do que a “A”.  O Goiás passou a gostar de não só disputar uma B, mas duas vezes seguidas na mesma década a B.
O pior de tudo, é que o Goiás se tornou um especialista em três coisas: primeira, contratar jogadores meia boca a peso de Ouro e ainda acreditar que são craques da bola; a segunda, chicotear e fazer de trouxa seus torcedores como se todas as nossas mães fossem lavadeiras de ofício.  Como a segunda não tem nem chicote – até porque os fios de couro já ficou em nossos lombos – ficaram as argolas. E o que fazer com elas? aí vem a terceira e ultima especialidade: As argolas fecham os portões pra a imprensa, porque a imprensa também é culpada pelas Improbridades Administrativas e futebolísticas por lá.

É muito amadorismo pra R$ 80 milhões! Esta na hora de uma “Operação Lavajato” no Goiás!

Até a próxima, irmãos esmeraldinos!

Wendll Faleiro

Tags:, ,

4 Comentários Quero comentar!

  • Tem uma coisinha que difere o ano de 2013 dos outros… E se chama PLANEJAMENTO. É só isso que falta meus amigos. Mas enquanto o planejamento estiver sendo feito na PINAUTO E NA HP, vai ser isso aí, ano após ano.

    Comentário by cicero jr — 26 de outubro de 2016 @ 15:40

  • He concordo ,eu quero é que acabe esse 2016 logooooo kkkkkkkkkkk queria tanto que fosse 2013 kkkkkkk , lindo 3 colocado oh bagaceira…. Espero que 2017 seja o ano ,o ano do Goiás viu …. Pq esse foi o ano de dessarte esmeraldino.

    Comentário by Lud — 26 de outubro de 2016 @ 18:26

  • Concordo!

    Contra fatos (e números) não há contestação. Com exceção desse time de 2013, a última administração esmeraldina que soube montar time competitivo foi a administração do Raimundo Queiroz.

    Mas a ciumeira tentou desmoralizar o Raimundão, apesar de nunca terem conseguido provar nada contra ele. E olha que tentaram inventar provas de todo tipo.

    O ciúme de homem é triste. Essa enorme besteira impera dentro do Verdão, privando o torcedor de um dirigente que entende de futebol e é muito melhor que o Adson Batista. Ocorre que o Adson nunca fez sucesso na Série A. Já o Raimundão fez muito sucesso na Primeira Divisão (Série A). E fez sucesso também na Libertadores da América também.

    Enfim… éramos felizes e não sabíamos!

    Comentário by Almir — 26 de outubro de 2016 @ 20:12

  • Fato! Desastre em cima de desastre.

    Comentário by Brayan — 27 de outubro de 2016 @ 9:08

Feed RSS para comentários sobre este post. TrackBack URL

Deixe um comentário