Bem Vindos a Dura Realidade 5 abril 2017 WENDLL

Como é triste ver e presenciar a decadência de alguém que gostamos, prezamos e amamos, não verdade?

Infelizmente essa é a realidade do Goiás Esporte Clube. Os torcedores já tomaram tanta birra, tanta raiva dos que lá estão que já estamos fazendo frente a alguns co-irmãos da região que joga pra mil e poucos presentes.

Quando imaginávamos que o avião verde poderia decolar de maneira ordeira, organizada e atingir um patamar de voô cruzeiro, sem mesmo sair do chão, o piloto se demitiu, o co-piloto por vaidade de alguns ou de um só foi demitido, a tripulação entrou em parafuso mesmo antes disso tudo acontecer, e os passageiros… pobres passageiros “torcedores”, continuam largados no avião sem comando, sem turbina, depreciando dia pós dia, semelhante alguns aviões de fato abandonados em alguns aeroportos pelo Brasil pela Transbrasil e Vasp.

Nos últimos dez anos o GEC tem sido mais lembrado pelas derrotas, vexames, rebaixamentos e derrotas quem nem um E.T consegue explicar, que por alguma eventual conquista. Que conquista? Pois é, que conquista!, que procuro, vasculho e não encontro uma só de relevância.

E os vexames são tão escandalosos, a ponto de um Marcelo Oliveira dizer que só volta a trabalhar quando o Campeonato Brasileiro começar, ou seja: Não treino (vocês) Goiás por dinheiro algum; Levir Culpi aguardando uma proposta da China, traduzindo pra quem não entendeu: também não treino (vocês) Goiás por dinheiro algum. Que humilhante!

A dura realidade é que somos sempre cotados, uma vez estando na elite do futebol nacional, como um dos candidatos fortes a ser eleitos no final da campanha, como vitoriosos rumo ao rebaixamento. Nem sequer na B, conseguimos algum destaque. Honestamente e particularmente, eu, quem vos escreve esta opinião como torcedor que sou, tenho vergonha de vestir a camisa do Goiás e não a visto a bastante tempo.

Somos sabedores que futebol é um esporte caro, mas no GEC, com tanto dinheiro, que ainda insiste em estufar os cofres a turma brinca.

Penso que o caminho seria torná-lo um clube empresa, uma S/A de capital aberto, gerido por pessoas competentes e não por tanta gente onde, muitos não tem se quer simpatia pela cor verde, depois por inúmeros seres que entendem de coração, gado, pneu, motor, “sapo”…..menos de duas coisas: Futebol e Gestão de Pessoas.

Até a próxima Esmeraldinos.

Wendll Faleiro

4 Comentários Quero comentar!

  • Ótimos pontos levantados. Realmente olhamos para dentro desse avião e não vemos ninguém com competência a altura para pilota-lo. Só consigo pensar em algo diferente com uma gestão diferente na presidência. Caso contrario, vamos continuar voando em circulo, caído aos poucos.

    Comentário by Brayan — 5 de abril de 2017 @ 17:54

  • Perfeita a postagem, nosso Goiás ta sem Norte.

    Comentário by J junior — 5 de abril de 2017 @ 19:48

  • SERGIO GAGÁ RASSI, PINHEIROS E PUXA SACOS!!!
    OBRIGADO PELAS CONQUISTAS REALIZADAS!!!
    RINDO PARA NÃO CHORAR!!!

    Comentário by FABIO ANTONIO DA SILVA — 6 de abril de 2017 @ 11:19

  • Foi muito feliz no seu comentário. Parabéns, grande Cícero! Pessoas não vestem verde, isso é gozado mesmo, porque eu também não visto vermelho! rsrsrsrsr Mas sairemos dessa crise obscura. O Goiás está impregnado de gerentes com técnica duvidosa, que proporcionam resultados catastróficos, com contratações de pessoas que sabemos não serem as ideais para os problemas que vivemos. Mas sou Esmeraldino, e hoje vou festejar, ainda que magoado, o aniversário de 74 anos do time que amo. É a nossa história! Eternamente serei Goiás! Abraço, meu amigo!

    Comentário by Jota Goyaz — 6 de abril de 2017 @ 11:23

Feed RSS para comentários sobre este post. TrackBack URL

Deixe um comentário